REI UBU-KOWISKI: Mortes ou um véu de silêncio / falar é prata e calar é ouro

sábado, julho 16, 2005

Mortes ou um véu de silêncio / falar é prata e calar é ouro

Ninguém morre de uma vez só. Morre-se aos poucos. Matamos primeiro a infância e, com ela, morre a inocência. É preciso matá-la para sobreviver num mundo de artimanhas, malícias, onde há mais glória na detruição do inimigo do que na vitória. A verdade nua e crua é esta: A puerilidade desperta a jocosidade! O patético é que rimos do que fomos, como quem ri do seu pedaço morto.